A FALTA DE CONTENTORES NA CHINA DISPARA OS PREÇOS, ATRASA EMBARQUES E IRRITA OS CLIENTES

Os operadores marítimos atribuem os atrasos ao aumento de pedidos e ao colapso dos portos devido à pandemia.
A pandemia às vezes pode atuar como uma pedra nas engrenagens da globalização. As exportações da China, quase tão importantes para as cadeias de suprimentos globais quanto o oxigênio para respirar, enfrentam uma rara tempestade perfeita que ameaça danificar a joia da coroa do gigante asiático e comprometer os investimentos de alguns dos seus clientes. A espetacular recuperação de encomendas do exterior nas últimas semanas, a paralisação da fabricação de contentores e como muitos deles terem ficado encalhados na Europa vazios após viajarem no primeiro semestre do ano e não retornarem causa uma escassez incomum de contentores. Isso, somado aos problemas causados ​​pela pandemia nos portos, evita que os embarques cheguem a tempo e favorece o disparo dos preços para níveis sem precedentes: de cerca de US$ 2.000 por um contentor de quarenta pés há alguns meses, para os US$ 12.000 que, segundo as fontes do setor, passaram a cobrar as expedições para a Inglaterra.

(El País, 20 de janeiro de 2021)